quinta-feira, 28 de maio de 2009

Avatar Voz do Além

“Abra suas asas, solte suas bombas…”

 

strangelove

Quer melhor montagem foto para resumir o maior perigo geopolítico mundial do momento? Creio que não. Os dois líderes  - Mahmoud Ahmadinejad e Kim Il-sung - podem não estar de namorico, como indica o beijo, mas estão trazendo o perigo nuclear de volta ao planeta. Não que eu compactue com países possuindo arsenais nucleares que impedem outros de as terem, mas esses dois caras aí da foto também não são o tipo de gente indicada para sentar em cima de ogivas atômicas.

Claro que EUA, Inglaterra, Israel e Paquistão (inclua também os outros países que possuem armas atômicas) também têm lá seus defeitos, mas o mundo seria um lugar mais tranquilo com Irã e Coréia do Norte possuindo apenas armas convencionais.

 

[Via Blodega]

29 Comentaram...

Daiane Santana disse...

huhuhuh estes 2 merecem é uma BOA surra...!!
#prontofalei

=]

hedoniste.male disse...

Você acha que se o Iraque tivesse armas atômicas os EUA teriam coragem de invadi-lo? Ora meu caro, se eu estivesse no lugar do Mahmoud Ahmadinejad também faria a mesma coisa, porque seria o meu país e não esperaria que outro viesse invadi-lo.

A questão que existe "ditaduras" e "democracias", mocinhos e bandidos é coisa de gente com visão limitada do mundo. O mundo é mais vasto que isso.

Quando as pessoas começam a fazer seus julgamentos apenas por informações deturpadas e de fontes nada confiáveis, sem pesquisar para saber realmente a verdade fica claro como é fácil manipular as mentes mais fracas.

Julio Cesar disse...

Se vão explodir o planeta, que explodam depois da copa de 2014, por que eu quero ve como vai ficar minha cidade se ela for escolhida

All3X disse...

Dá para confiar em alguém?

VARAPAU disse...

Só uma pequena correção: o "presidente" norte-coreano chama-se Kim Jong-il. Kim Il-sung era o pai dele, e antigo "presidente".

A Voz do Além disse...

@hedoniste.male Bom, essa sua visão. Não disse que ninguém tá certo em invadir ninguém, e muito menos em possuir armas nucleares (você deve ter lido isso no texto acima).
Os EUA tem maracutaias enojantes, tanto para conseguir petróleo, quanto para assustar países do Oriente Médio? Sim, claro. Tem prisões que conseguem ser piores que Abu Ghraib? Tem.
É parceiro e apoiador de Israel (isso está mudando)? Sim.

Tudo isso é ultrajante? É. Mas o Irã e Coréia do Norte não se diferem muito disso. Pense bem. Aqui no Brasil, nos EUA, na Inglaterra... você pode pegar seu computador, que você comprou, com a internet que você paga, e ler esse blog e opinar.

Tenta fazer isso nesses dois países. A não ser que você conheça algum esquema para burlar bloqueios (o que não é lá muito difícil), você só tem liberdade para acessar sites que falem bem do governo, isso se você for integrante do Partido Comunista, ou wathever.

Ou seja, nem liberdade de pensar diferente existe. Não teria espaço para um texto desse por lá, porque eu iria para a prisão, torturado, e possivelmente morto. Abomino muitas coisas, mas censura e tortura são as piores coisas que um regime político pode proporcionar.

Temos isso em "democracias"? Temos, mas ainda existe uma certa dose de liberdade nelas, do contrário não estaríamos aqui discutindo isso!

@VARAPAU Obrigado pela correção. Sempre confundo esses dois!

Mauro Tavares disse...

Sr Voz, começo a achar suas postagens meio bobonas, com todo o respeito, mas acho que vc devia se chamar "Voz do Áquem", pq lhe falta informação e entendimento da conjuntura atual.
Primeiro suas fontes devem corresponder a midia corporativa, leia-se corrupta, representada pela revista Veja e afins, o que não é condizente com o espirito deste blog e nem mesmo com suas afirmações sobre censura, buscar informações em orgãos que apoiam o combate a pirataria e a censura na internet.
Sua comparação esdruxula e mal feita entre o regime fundamentalista do irã e o restolho comunista que é a Coréia do Norte foi muito infeliz.
Há censura nos dois regimes?
Sim, mas com objetivos bem diferentes e digo até que no Irã ela é válida para proteger o regime, enquanto que na Coréia é uma prática ditatorial.
Há busca por armas atômicas ?
Sim, nos dois, mas no Irã ela tb se destina a proteger o regime das ameaças de Israel e como salvaguarda para uma futura nação palestina, enquanto que na Coréia ela é uma ameaça declarada ao mundo ocidental.
E não fique ai dando uma de ingenuo achando que vc é livre, neste mesmo momento há sites propalestina saindo do ar sem explicação nenhuma, cada vez mais se usa a "liberdade" da internet para vigiar e controlar as pessoas, vc ta ai atras do seu pc com uma coleira de ouro no pescoço ( designed by apple ), não se iluda.
E não pense que eu apoio ditaduras como a Iraniana, claro que não, sou anarkista, só digo que com nossa absoluta falta de sentido historico, perdemos o conhecimento da realidade,e no momento, a resistencia Iraniana é o unico meio possivel para a sobrevivencia daquelas crenças religiosas e da cultura daquele povo, por isso as atitudes deles se fazem justificadas.
E a sua tao amada américa ta é tremendo de medo, acho que eles não tem coragem de peitar uma guerra atomica !!!

hedoniste.male disse...

Deixa eu ver se entendi. "Não disse que ninguém tá certo em invadir ninguém, e muito menos em possuir armas nucleares" é o que você disse na sua resposta ao meu post mas no texto original você diz "...mas esses dois caras aí da foto também não são o tipo de gente indicada para sentar em cima de ogivas atômicas."

Qual o seu critério então para um país ter armas atômicas? Eu citei o caso do Iraque apenas para ilustrar meu pensamento, já que ficou provado depois da invasão americana que não existia "armas de destruição em massa" e tudo não passava de uma estratégia de roubar as riquezas de um país. O que quero dizer é que esta é a lei do mais forte onde quem tem uma arma para se defender dificilmente será atacado ou invadido. Pense porque até hoje os EUA não tiveram a coragem de invadir o Irã?

Há respeito de Ditaduras e democracias, citei isso porque as pessoas veem os EUA como um exemplo a ser seguido e quem esta no "eixo do mal" são países demonizados e ditaduras sanguinárias. Concordo com você que a Coréia do Norte é uma ditadura assim como a China, Cuba, Arábia Saudita, etc. mas experimente ir para os EUA ou para Inglaterra para experimentar a "democracia" deles. Lembra-se do Jean Carlos lá em Londres?

Bem, acho que isso é tudo por enquanto, até a próxima réplica amigo.

Garnizé disse...

O que a história demonstra é que ninguém é santo. A humanidade viveria bem melhor sem governos e religiões. No final, independente da ideologia, o importante é estar no poder.

Claro que viver em países supostamente democráticos e muito melhor do que viver em países totalitaristas, mas não devemos achar que vivemos realmente livres (experimente não pagar o IPTU ou qualquer outro imposto).

Para finalizar não esqueçamos qual foi o único país até hoje que utilizou armamento nuclear contra outro.

Luis disse...

Como disse nosso amigo mais acima, guerra atômica só depois de 2014. Eu quero pegar uma espanhola, uma francesa, uma japonesa, uma mexicana, uma sueca, uma argentina,uma italiana, etc., etc.,etc.....

Ps: nerd nao sabe nada de questoes políticas e sistemas de governo.
Volta pros games q vcs sabem mais e os posts ficam mais interessantes.
Credo. Ter que aturar playboyzinhos filhinhos de papai falando da URSS é osso.

hedoniste.male disse...

Ser alienado é triste.

A Voz do Além disse...

@Mauro Tavares Cada um com sua opinião. Primeiramente, não comparei o regime da Coréia do Norte, com o do Irã. Sei muito bem as diferenças entre o regime norte coreano, com a clássica elite comunista, culto a personalidade, e "nosso país é a salvação do mundo", e o iraniano.

Censura é válida? Para proteger o regime? Anarquista? Conta outra... deu até vontade de parar por aqui. Concordo que a foto é de extremo mau gosto, mas não a postaria se não visse um fundo de verdade nela. Não estou dizendo que os dois regimes se ajudam (a Rússia ajudou os dois a obterem suas armas nucleares), mas que são farinha do mesmo saco.

Me explica por que na Coréia não pode e no Irão pode? São dois regimes impopulares (tá bom, antes que você vocifere que é mentira, a população iraniana tolera o regime, assim como ocorre com grande parte da população chinesa, e se não fosse assim, não precisaria de ditadura). Quanto a Palestina, tem um fundo de verdade aí. Ao menos é o que Síria e Irã demonstram, ajudando os vários movimentos de libertação presentes naquele país, ou o Hezbollah o único grupo militar a vencer Israel (infelizmente). Mas repito: armas nucleares do Irã não vão ajudar os palestinos. Se Israel pisar na bola eles vão fazer o que? Jogar a bomba lá e matar tantos palestinos quanto isralenses? E já que você falou em Israel, realmente preferiria o Irã com armas atômicas a Israel (que também possui).

Quanto a liberdade: não disse que não existe censura nos países com regimes "democráticos" (até o Google tá contribuindo com a censura). A diferença é que no Irã você não tem computador para comprar (não vou nem falar da Coréia, que pelo visto não é caso).

E cara...onde disse que amava a América? Só disse que entre ser preso (América) e ser preso e torturado (ditaduras), prefiro a primeira opção.


@hedoniste.male Não discordo de você quanto a realação entre invasões e armas atômicas. A Coréia do Norte está aí para provar isso. Armas nucleares são um fator incontestável de defesa. Mas agora imagine todos os países do Oriente Médio possuindo a sua. Enquanto eles são anti-EUA tá tudo tranquilo, mas e quando começarem a brigar entre si (como quase está ocorrendo entre Índia e Paquistão)? Creio que não seria uma boa situação. Mas armas nucleares são realmente um assunto difícil, e do jeito que está (com potências com "arsenais legítimos") realmente a situaçao geopolítica fica desigual. Mas, francamente, espalha-las pelo mundo não seria a solução ideal.

Quanto ao caso Jean Charles: típico caso da idiotice dos britãnicos! Mas a gente (aqui do outro lado do planeta) soube do caso, ao contrário dos milhões que morrem na Coréia do Norte, ou práticas extremistas iranianas (matar crianças de nove anos na forca), que não são comentadas.

Pra terminar: no Irá, não existe as duas liberdades básicas do ser humano. A de ir e vir, e a de informação. Típicas características de ditadura.


@Luis Não gosta dos posts sobre a URSS? Pule para os de game. Só não fale de quem você não conhece.


No fim das contas, não apóio as supostas democracias e muito menos regimes ditatoriais. Leia sobre Anarquia e saibam porque!

Mauro Tavares disse...

Leia sobre anarquia ?

é vc que não lê voz do aquem !

vc acha que não vai ser toturado na america ?

vc nunca viu 24 horas ? ( hehehehehe )

a tortura é comum e oficial na america meu caro.

e não fique ai com essa visao romantica de anarquia como algo que prega a nao violencia, paz, desarmamento, liberdade de expressão, que nada disso existe, se em uma revolução para derrubar o estado ( que deve ser armada ) se um grupo de resistencia tenta restaurar o poder, este devera ser censirado, preso e torturado como qualquer ameaça politica.
anarquia não é brincadeira de criança, e akilo que vc chama de liberdade de expressão so serve para manter a autoridade, a midia que defende a liberdade de expressão é a mesma que faz lobby politico, distorce informaçoes e serve a o interesse de corporações.
quando estourar a revolução o primeiro passo é controlar a midia com mão firme para que sirva aos revolucionarios, qualquer outro uso deve ser vetado.
quanto a diferença do irã e da coreia, sao regimes que tem fundamentos diferentes, raizes historicas muito distintas, eu acho que a coreia deveria ser varrida do mapa, é realmente um perigo, o irã tb, mas o irã tem um fundamento religioso por traz e é uma via diferente da cultura ocidental, a guerra contra o irã no fundo é uma guerra contra islã.

hedoniste.male disse...

Ok, para finalizar. Infelizmente a proliferação de armas nucleares no mundo não depende da minha ou da sua permissão. Elas estão aí e é inevitável um conflito nuclear cedo ou tarde. Assim como não temos qualquer controle - nós, os cidadãos comuns - sobre o aquecimento global ou outros problemas que afetam o planeta como um todo.

O que podemos fazer? No meu caso procuro me manter bem informado, não ter uma postura de gado que vai para o abate aceitando tudo sem contestar.

Valeu e até a próxima.

A Voz do Além disse...

@Mauro Tavares Bom, eu ainda não fui torturado, e se as coisas apertarem (e eu for esperto para ver), posso simplesmente ir para outro país, coisa que seria impossível no Irã, pois não existe liberdade de ir e vir na terra dos aiatolás. E sim, os EUA (e TODOS os outros países das Américas também. Satisfeito?) torturam. Mas analise bem e veja onde é pior morar, e pergunte para você mesmo: "Onde eu moraria, nos EUA ou no Irã?"

Veja bem, o mundo não é maniqueísta. Desaprovar regimes como o coreano e iraniano, não quer dizer que apóio os EUA ou seus aliados. Isso soa como frase de um Bush às avessas. Só disse que preferiria morar lá do que no Irã, onde não poderia ser outra coisa a não ser islâmico. Nada contra religião, sou muito simpático a ela e tenho amigos muçulmanos, mas quando interpretada da forma errada pode levar a desastres como o 11 de setembro. O problema é como muitos a usam para alcançar poder político e inflamar a população. Mais ou menos como a cruzada evangélica que se agiganta no Brasil.

Nos EUA (ou no Brasil, vamos trazer para mais perto da gente), se você quiser adorar suas galinhas e transformar seu galinheiro em igreja, tudo bem, desde que seu culto não infrinja leis. No Brasil, se você acha o país uma plena porcaria (e você tem o direito de falar isso, e você sabe) e ir embora para outro (o que você bem escolher), você PODE. A liberdade é parca? É, mas ainda existe, mesmo do tamanho de um filete. No Irã não (creio que a Coréia é assunto morto já). Tá certo, o regime lá não é simplista e limitado, como o coreano, pois tem múltiplas forças políticas e depende do equilíbrio de instituições como a presidência, o Conselho de Guardiães e o Aiatolá... mas no fim das contas, quem manda é o supremo Aiatolá. E isso o qualifica como ditadura. Não estou dizendo que está correto ou não ter ele no poder, se ele tem direito ou não, que o país tem que adotar "democracia". Não, só estou dizendo que é uma ditadura como qualquer outra, independente de ter fundo religioso, político, ou seja lá qual for (se já percebeu, sou muito avesso a ditaduras).

O Irã é como um regime comunista. Os religiosos controlam quase tudo, desde boa parte das terras, até as melhores lojas. A Guarda Revolucionária, o braço forte do governo, não é apenas um exército; eles são um país, com indústrias e fazendas sob seu comando. O regime islãmico melhorou diversos indíces ecônomicos, e educacionais? Sem dúvida. Mas para isso a liberdade de expressão e cultural foi sacrificada (para as mulheres então, com seus direitos reduzidos a quase nada, é melhor nem falar). Para mim isso é um problema, para você talvez não.

"...e akilo que vc chama de liberdade de expressão so serve para manter a autoridade, a midia que defende a liberdade de expressão é a mesma que faz lobby politico, distorce informaçoes e serve a o interesse de corporações." Sim, não discordo de você, e se a sua pessoa lê meus posts, já sabe disso. Só estou dizendo que se você quiser fundar um jornal de bairro, um site na internet ou qualquer outra coisa que se qualifique como veículo informativo, seja para falar mal do governo, ou do barulho de aviões sobre a sua casa (wathever) você PODE. Não disse que a grande mídia está exercendo sua liberdade corretamente, disse que ela PODE ser exercida. No Irã isso existe? Não!

A Voz do Além disse...

Eu acho engraçado você citando a Anarquia como algo que existe por aí como exemplo. Creio que você a está confundindo com socialismo, ou comunismo; que surgiu como salvação para a classe trabalhadora oprimida, e se tornou uma opressão tão grande quanto o capitalismo. Me dê um exemplo de revolução anarquista, ou país que siga esse regime. Sim, eu sei que você não achou, porque ele não existe. Anarquia não trata de controle de estado, mídia, ou classes. Também não se trata de caos político, como a mídia gosta muito de refenciar. Anarquia é ajuda mútua, é cada um colocar seus ideais em prática, sem avançar nos direitos alheios. E para começar, anarquia nunca defendeu violência contra indivíduos, ao contrário da sua tal revolução armada. Enfim, leia como eu disse, que pelo visto você não o fez.

Você deve estar pensando: "Mas que besteirada, isso não existe, o ser humano é uma raça escrota que jamais conseguiria alcançar isso!"

Errado. Como eu disse, anarquia não necessiariamente envolve um país sendo anarquista. Existem comunidades anarquistas aos montes por aí. Veja Skatopia, em Ohio, uma cidade de skatistas que já tive o prazer de visitar. Só posso dizer que funciona. Eles não oprimem ninguem, vivem a vida que querem e não são incomodados.

Leia também sobre o Festival Burning Man, que é uma experiência anárquica, misturada com arte (pretendo visitar ano que vem). Olho a Anarquia dessa forma, sem precisar chegar ao poder de um estado, pois isso com certeza geraria a situação que você indicou.

Por último: A guerra contra o Irã não é bem uma guerra contra o islã, mas uma guerra sobre controle de petróleo. Olhe a Arábia Saudita. Eles estão na mesma situação (sob alguns aspectos, pior) do que o Irã, mas não são incomodados, pois são aliados dos EUA. Claro isso é um problema, pois envolve controle. O que os árabes não observam é que tem a maior arma possível na mão: o petróleo. Era só eles se unirem e o castelo de cartas dos EUA desabaria em pouco tempo, inclusive seus esforços de guerra. Mas a desunião leva a isso, e armas nucleares na jogada só piora o panorama da região. Outro fator para corroborar essa observação é a Indonésia, o maior país islâmico do mundo. Ele não é fundamentalista, não está em guerra. E muito menos é uma ditadura.

No fundo no fundo, creio que temos pensamentos muito parecidos, só nos expressamos de maneira diferente.


Em tempo: regimes ditatoriais, quando bem empregados, podem elevar o espírito humano, mas desde que te deixem como opção abandona-lo. Exemplo? Os monges shaolin e os guerreiros sikhs. Para esses dois grupos, seguir uma disciplina extremada e um regime (praticamente) político ditatorial é uma honra. E os que ficam são os melhores. Não suportar é garantia de desonra e expulsão. Nesses casos (com grupos pequenos e com pensamentos menos pluralistas), a ditadura tem por objetivo elevar o homem e não transforma-lo em gado. Na minha opinião funciona!

A Voz do Além disse...

@hedoniste.male A questão não é controle ou não sobre qualquer coisa, é opinião. Eu dei a minha, você deu a sua. Elas são divergentes e creio que chegar a um denominador comum não é nosso objetivo.

E para mim a SUA opinião que é de gado, pois prefere ver armas espalhadas por aí, e um conflito nuclear (o que deve mandar o mundo pra vala) do que a situação (ruim) atual.

hedoniste.male disse...

Vamos ficar calmo criatura! Onde eu lhe disse que VOCÊ era gado? Onde eu disse que prefiro que o mundo entre em um conflito nuclear? Atente-se a prestar mais atenção ao cometários dos seus queridos leitores.

Agora só para atiçar um pouco mais o debate. Você já foi ao Irã? Digo, viajou para lá, andou nas ruas, conversou com o povo de lá. De onde que você consegue a informação que lá vive-se sem total liberdade, etc. e tal? Já imaginou que o diabo não pode ser tão feio como lhe querem fazer acreditar. Apenas reflita isso.

Vamos para um exemplo mais perto: Venezuela. Toda mídia aqui do Brasil afirma que há uma ditadura tenebrosa nesse país. Mas o que se lê na blogosfera é algo completamente diferente. Pense, a propaganda pode ser enganosa.

A Voz do Além disse...

Bom, se interpretei mal a sua última frase, que me pareceu uma indireta, me desculpe, não vai acontecer de novo.

Quanto a visita ao Irã: realmente queria muito, e pretendo, assim como uma visita a Rússia e Cuba e outros países controversos. Enquanto isso não acontece, infelizmente o processo de obter informações envolve pesquisar no maior número de veículos possíveis (um dos meus favoritos é o Pedro Doria, e seus comentaristas; a Rolling Stone e a Vice). Mas, se ficarmos presos a paranóia de que TODOS os meios de comunicação estão mentindo, creio que não chegaremos a lugar nenhum (a não ser que você tenha ido ao Irã e puder nos relatar o que viu).

Enfim, tenho que me contentar com informações de terceiros por hora. O caso da Venezuela não é tão tenebrosamente pintado como você diz. Lembro que vi na GLOBO (um dos exemplos máximos de corporativismo nos meios de comunicação nacionais, junto com o papel higiênico sujo chamado Veja) o golpe de estado que derrubou Chavez e eles não se furtaram de falar que o POVO o estava colocando de volta. Também leio bastante sobre políticas sociais feitas por ele, assim como o descontentamento da classe rica, o que geralmente indica um bom sinal. Mas, claro, a coisa é mais ou menos como você citou.

Então passo a bola pra você: onde conseguir informações mais confiáveis?

hedoniste.male disse...

Eu acredito que a internet (invenção dos americanos)- principalmente a blogosfera - é o meio mais democrático de conseguir informação confiável. Há alguns anos atrás, não muitos, não tínhamos opção: ou era através da TV, jornais ou revistas.

Tento não ser muito à esquerda nem muito a direita (sim, há informação de direita e de esquerda). Por isso desconfio de informações que ignoram que posso raciocinar por mim mesmo. Teoricamente o jornalismo deveria ser isso, apenas informar com insenção.

Mas vamos lá, leio o Viomundo [http://www.viomundo.com.br/] do jornalista Luiz Carlos Azenha; Blog do Argemiro Ferreira [http://argemiroferreira.wordpress.com/]; Resistir [http://resistir.info/]; BBC Brasil [http://www.bbc.co.uk/portuguese/]; Direto da Redação [http://www.diretodaredacao.com/].

Esses são apenas alguns que leio mas há muitos outros. O importante é não ser doutrinado, apenas receber a notícia mastigada. Precisamos pensar a notícia que recebemos.

Mauro Tavares disse...

Ok sr Voz, vamos lá então, primeiro pense no seguinte.

Sua voz não sera ouvida se ela for apenas um pequeno murmurio no meio dos autofalantes megapotentes da industria de informaçoes.
nao tera repercussao alguma, por isso a midia corporativa deve ser combatida, pois ela so serve a intereses comerciais e politicos, e nunca a sociedade, graças a midia corporativa as pessoas não tem voz, ou seja, liberdade existe, mas existe expresão.

e vc confundiu anarkismo social com anarkismo individualista ou de estiloo de vida.

existem sim pequenas comunidades que fazem uma experiencia com a anarkia como essas que vc falou e a cristiania na dinamarca, mas elas ainda mantem relaçoes de dependencia com os paises que as abrigam, pois dependem de alguns elementos de sua industria, nao sao autosificientes, e podem ser dissolvidas a qualquer momento.
sao fruto de coletivos que vivem o anarkismo como estilo de vida.

o anarkismo social preve sim a revolução, e esta devera ser armada, as coisas nao sao assim bonitinhas e paz e amor,para um nerd de vida sedentaria é um horror pensar em pegar em armas, mas isso seria necessario se quisermos realmente uma revolução.

mas enfim, cada um com sua particularidade, eu adoraria lutar.

hedoniste.male disse...

Não acho que necessariamente uma revolução seja feita somente com armas. Se fôssemos seguir somente este raciocínio a África seria o continente mais "revolucionário" do planeta. Ghandi já provou o contrário.

Seguindo este mesmo raciocínio quem tem mais armas ou quem tem a arma mais poderosa sempre deterá o poder, concordam? A humanidade como um todo evoluiria mais velozmente se diminuisse a suba belicosidade mas acho que isso não irá acontecer até a próxima grande guerra mundial - sei que irá acontecer, é uma questão de tempo.

Mas essa é minha opinião Mauro e ainda bem que podemos discutir isso pacificamente nestes comentários.

A Voz do Além disse...

@Mauro Tavares Ah tá, o assunto aqui é outro então: o papel de mídias corporativas na alienação das pessoas. Concordo, mídias corporativas, servem a interesses corporativos, e combate-las deve ser um objetivo. Mas não acredito em força de armas, pois ela, com raríssimas excessões, transforma os revolucionários em criaturas piores do que os que eles combateram (a não ser em casos de ditaduras extremas).

Não, não confundi nada. Essa é a minha visão preferida do anarquismo (e ao menos da maioria dos anarquistas que conheço). Não quero mudar o mundo, não quero libertar ninguém a força, ou salvar pessoas dos grilhões do capitalismo selvagem. Se eles não têm a capacidade de fazer isso por si próprios, não vai ser eu que vou fazer isso por elas. Não tenho problemas com revoluções, mas geralmente elas acabam por criar uma classe dominante, e outra obedecendo, justamente o que ocorria antes dela. Por isso mesmo prefiro justamente o anarquismo mais individualista, mesmo que um pouco dependente do estado (mas também não teria problemas com o quase feudalismo proposto por John Zerzan).

Mas, como você disse, são particularidades...

PS: Só não tire conclusões precipitadas sobre minha pessoa, que você nem conhece. Servi o Exército quase dois anos, e não tenho problema com a vida militar, ou armas.

@hedoniste.male Muito obrigado pelos links, mas é mais ou menos o que leio, e do mesmo jeito que você citou, são passíveis de discussão, mas creio ser confiáveis. E realmente, ainda bem que os ânimos esfriaram e podemos conversar civilizadamente!

Mauro Tavares disse...

é isso ai voz, ta na moda os anarkistas na galeria do rock uhauhauhuahhauhuahuhauhauha

Luis disse...

Escuta aqui o "voz", acaso só podemos falar do que conhecemos? Não podemos mais inferir coisas? E não deduzimos através de um conhecimento adquirido?
Mas tudo bem, concordo com vc. Eu conheço (e aposto que você também) um monte de nerds que moram em favelas. Também fico feliz que todos vocês tenham vivido na URSS naquela época para trazer aos seus leitores tudo de bom sobre aquele regime socialista (já que temos que conhecer pessoalmente as coisas, não vamos nos ater a fontes como livros e artigos que dificilmente serão imparciais! kkkk).
Eu falo isso porque trabalhei e estudei também com movimentos esquerdistas na faculdade.
E não me refiro a todos ou algum "Glasposts" específico do site. Quem disse que nao gosto da ideia? São apenas um pouco mal tratados... quando não são utópicos demais. Fica parecendo com falsa esquerda. E isso é triste. E se não é pra ser esquerdista mesmo, então seja realmente imparcial.

A Voz do Além disse...

@Luis Não pegue o bonde andando... O lance de desconfiar de tudo não foi proposto por mim, como você deve ter lido nos comentários, antes de se encher de sarcasmo. Eu mesmo uso diversas fontes de informação. Não dá para vivenciar tudo. Ninguém tem tempo, disposição ou dinheiro para isso.

Não vivi na URSS. Todo o meu conhecimento vem de anos de leitura e muito estudo, geralmente por puro prazer! Não sou esquerdista, nunca fui, não admiro esquerdistas, assim como não admiro capitalistas... tudo soa como dois lados da mesma moeda descartável (repito: se você leu os comentários acima e não pegou o bonde andando deve saber disso).

Sinceramente não entendi seu questionamento quanto aos Glasposts. Não falo de política, ou sistemas de governo (quem falou isso foi a Ana Recalde, a meu convite. Mas é a opinião dela, assim como você expressou a sua, que também respeito). A minha idéia é tratar de fatos, ou de cultura russa, que, apesar de estar ligada fortemente ao passado comunista, consegue transcender isso, afinal estamos falando de um país com mais de mil anos.

Mas, se você quiser apontar casos específicos que não te agradam, ficaria agradecido de te ouvir!

Luis disse...

Claro q sugiro coisas, pq não?
Já que o tema é a cultura russa, poderíamos falar entao da grande força da música russa na formaçao da música contemporânea (fantástico grupo dos cinco)[e que tb influenciou enormemente a produçao musical cinematográfica] ou da riquissima (e suntuosa) arte dos czares. (fabergé, por exemplo)
Mas se como vc diz, a intençao é a cultura russa e que serao feito vários posts, acho que o que citei agora tb está nos planos.
Bons posts pra vcs.
Ps.: q bom que a questao de socialismo e comunismo nao sao o enfoque (devo admitir q embora tenha estudado isso, tb nao gosto da discussão, pois parece nao levar a lugar nenhum. Eu disse em um comentário de algum outro post (mais utópico) q o problema é o homem. E estou errado?? rs)
t+

Gustavo disse...

O problema é o pagode e o funk, véi.

.
.
.

Falando sério agora, toda a questão das armas nucleares está girando em torno da Coreia do Norte nesse momento, com o Irã assistindo a tudo bastante interessado. Se a comunidade internacional não consegue exteriorizar a sua reprovação em medidas realmente efetivas, nada impedirá que o Irã dê continuidade a seu programa...

E como Israel já falou que o Irã, com um programa nuclear, é uma ameaça (mais da metade dos israelenses, segundo pesquisa divulgada na Folha de São Paulo, acham que Israel deve atacar antes que o programa nuclear iraniano se desenvolva), já podemos ver as preliminares de uma guerra que, espero que não, poderá começar em breve. É acompanhar as notícias para ver.

Anônimo disse...

Matem esse mauro por favor o cara é um porre...
maluco sedentario e arrogante no muito não tem namorada, nerd..
Quem é nerd é inteligente e pode até ser arrogante, mais ser arrogante sendo um metido a cultural não dá..
morra por favor

Postar um comentário

Mostre que é nerd e faça um comentário inteligente!

-Spams e links não relacionados ao assunto do post serão deletados;
-Caso queira deixar a URL do seu blog comente no modo OpenID (coloque a URL correta);
-Ataques pessoais de qualquer espécie não serão tolerados.
-Comentários não são para pedir parceria. Nos mande um email, caso essa seja sua intenção. Comentários pedindo parcerias serão deletados.
-Não são permitidos comentários anônimos.


Layout UsuárioCompulsivo